Dia do Índio ou Dia dos Povos Indígenas: saiba mais sobre esta data

Esse mês, celebra-se o Dia do Índio ou Dia dos Povos Indígenas (19/04). Uma data importante para conscientização a respeito desses povos, suas importâncias, histórias, valores, conhecimentos e costumes. De acordo com dados do Censo IBGE de 2010, existem 896.917 pessoas pertencentes a mais de 305 povos indígenas, além de ter aproximadamente 150 línguas diferentes dentro desses grupos. É muita coisa, e hoje, trouxemos alguns pontos que merecem atenção e reflexão. 

Indígena ou índio? O que é ser índio?

Existem algumas formas de falar sobre esses povos, a grande maioria chama de índio, mas esse termo pode gerar uma imagem distorcida sobre eles. Portanto, o mais correto é utilizar o termo indígena, algo originário, de raiz e que diz respeito a todo e qualquer indivíduo pertencente a alguma tribo.

Por que o Dia do Índio é comemorado dia 19 de abril?

O Dia dos Povos Indígenas é comemorado nesta data, pois neste mesmo dia, em 1940, líderes indígenas de diferentes tribos se reuniram no Primeiro Congresso Indigenista Interamericano, perceberam que tinham as mesmas dificuldades e, juntos, conseguiriam pressionar seus governos a buscarem soluções para seus problemas. Essa data também é importante para a conscientização e respeito a essas comunidades, que são símbolos da miscigenação presente em nosso país, mas que ainda sofrem muito preconceito.

Uma cultura rica e mista

Como comentamos anteriormente, existe uma vasta divisão dentro da comunidade indígena, são aproximadamente 305 tribos e, dentro delas, há costumes próprios que incluem: língua, alimentação, brincadeiras, danças, rituais e as famosas pinturas corporais. Estas, são responsáveis pela diferenciação entre as tribos, visto que cada uma tem características únicas, dentre cores, formas e desenhos.

A tecnologia e os estudos dentro das tribos indígenas

Outro ponto a ser destacado é que alguns dos povos têm acesso a tecnologia e estudos, enquanto outros preferem viver tradicionalmente seguindo seus costumes. Um bom exemplo, é o caso que viralizou, recentemente, na internet da mulher indígena que se formou em medicina. A Dra. Dara, como ficou conhecida, nasceu e foi criada na aldeia Te’yikue, na cidade de Caarapó (MS). Seu sonho era ser médica, e ela conseguiu, tornando-se a primeira guarani-kaiowá a se formar em medicina, atuando em uma unidade de saúde do interior do estado. Um grande diferencial da doutora é falar em guarani, característica que deixa pacientes nativos mais à vontade e também é motivo de orgulho para ela.

Ela contou em entrevista que: “As dificuldades eram tantas para uma menina indígena de aldeia. Parecia que eu não poderia sonhar tão alto, mas descobri que sim. O sentimento que fica agora é o da gratidão”.

Esse é apenas um dos vários exemplos de indígenas que saíram de suas tribos e conquistaram seus espaços dentro das mais diferentes áreas. E este conteúdo trouxe apenas alguns pontos que devem ser refletidos sobre esses povos incríveis.